Escola de Chimarrão marca presença no Carijo

            Pela primeira vez, a Escola de Chimarrão pousa em solo palmeirense para o Festival do Carijo da Canção Gaúcha. Segundo o direto executivo, Pedro José Schwengber, a presença da ONG no festival é um sonho de mais de 10 anos. A presença foi viabilizada graças ao Instituto Brasileiro de Erva-Mate (Ibramate) em sintonia com a Prefeitura Municipal de Palmeira das Missões, junto com a comissão organizadora do evento. "Eu já era feliz, agora estou mais feliz", comentou Pedro sobre a realização deste sonho.

 

               “Nós já estivemos em Palmeira para a Feira da Terneira há três anos e para uma palestra na Escola Celeste Gobatto, mas só aqui no festival eu pude sentir o calor humano do povo palmeirense. Um povo acolhedor, fraterno. Foi algo muito bacana e ser tão bem acolhido como fomos. Sem falar que o evento é algo magnânimo, pujante, maravilhoso!”, contou o diretor sobre que achou do Festival e da Terrinha.

 

              Das 36 formas apresentadas, o destaque é o chimarrão de 11 segundos, por sua praticidade e rapidez. Outros que chamam atenção é o chamado Formigueiro, o Invertido e o do Prego. “A função do Prego no chimarrão é quando tu recebe aquela visita que faz marcha com a bomba. Aí tu faz o chimarrão e põe um prego, a pessoa vai perguntar o porquê e tu responde: mexe no prego mas não mexe na bomba”, explicou entre risos, Schwengber. Ele complementa que o segredo para fazer um bom chimarrão é conhecer. Saber escolher uma boa erva, um bom porongo, uma bomba de ácido inoxidável, saber a qualidade e quantidade de água e a temperara da água e, por fim saber fazer chimarrão.

 

              A Escola do Chimarrão fica no Parque de Exposições até a noite de hoje. Quem participa da aula, ganha certificado. Pela segunda feira, a ONG pega estrada rumo a Novo Barreiro para a realização do projeto Mateando na Escola.

 

Sobre a Escola

            A Escola de Chimarrão nasceu de um projeto cultural de uma pequena indústria ervateira do município de Venâncio Aires em 1998, idealizada pela Liliane Pappen, Rejane Pastori e Pedro José Schwengber. "A Liliane pariu a criança, a Rejane batizou e eu criei", conta alegremente o Direto Executivo. O Instituto tem por objetivo fazer o resgate da cultura da erva-mate e dos 500 anos da história do chimarrão, explorar o aspecto e apelo social que o chimarrão possui. Visa também, conscientizar o maior número de pessoas sobre as propriedades medicinais da erva-mate. Inclusive, a Escola possui em sua equipe um médico, o Doutor e Pesquisador Oly Pedrinho Schwingel.

 

            Em 2004, o projeto transformou-se em uma ONG: Instituto Escola de Chimarrão, contando com projetos educacionais, como o Projeto Mateando na Escola, além da realização de palestras, workshops, seminários e sua presença em festivais culturais. Paralelo a parte cultural, social e medicinal, a Escola tem um Projeto de Prevenção às Drogas. Toda a sua ideologia despertou interesse de parceiros e patrocinadores. Em 2005, conseguiram um forte apoio com a Policia Federal que doou um MotorHome, que é fundamental para difusão da ONG pelas cidades. Atingindo mais de 4 milhões de pessoas diretamente, tendo passado por mais de 300 municípios do Rio Grande do Sul, 7 estados brasileiros e 5 países europeus.

 

Sobre a Erva-Mate

             Em 1964, o Instituto Pasteur da França e a sociedade cientifica de Paris, afirmaram que não existe no mundo outra planta que se iguale a erva-mate em suas propriedades e seu valor nutricional. Hoje ela é avaliada pela Universidade de Illinois,  nos Estados Unidos, que denominou a planta como a "Árvore da Vida", pois ela tem todas os nutrientes necessários para sustentar a vida, como a vitamina A, B1, B2, C, E. Além disso contém Cálcio, Ferro, Fósforo, Potássio, Manganês, Flavonoides (anti-oxidantes), Fibras. Foi descoberto na Touro University da Califórnia que os antioxidantes da erva-mate são duas vezes mais potentes que os flavonoides do vinho e três vezes mais potentes que os do chá verde.

 

                Ela é um rejuvenescedor celular, moderador diurético, regenerador celular, estimulante natural, regulador das funções cardíacas e respiratórias, auxiliar no combate do colesterol, rejuvenescedora, digestiva e preventiva. Segundo, o Dr. Oly Schwingel, é indicado o uso do chimarrão de duas a três vezes ao dia. "A erva-mate é a planta mais completa do planeta em termos medicinais e nutritivos. Sendo assim, ela é significativa para nosso organismo e nossa mente. O chimarrão tem esse apelo social porque quem tem o habito de tomar o mate, dificilmente ira sofrer de depressão, que mesmo quando mateamos solito temos um companheiro que responde todas as nossas perguntas, mesmo estando calado", reflete Pedro Schwengber. 

 

                 A erva-mate nasce em apenas um paralelo de terras, são elas: Paraguai, Mato Grosso, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Argentina, sendo a Argentina, a maior produtora mundial de erva-mate. Atualmente tem sido efetuados testes de plantações de erva-mate na África e na Ásia, sem sucesso, até o momento.  O Uruguai é o maior consumidor de erva-mate, em segundo lugar, Argentina, terceiro, Paraguai, quarto, a Síria e em quinto lugar, o Brasil. Além do mais, a frase mais pronunciada no Rio Grande do Sul é: 'vamos tomar um mate?'. Para finalizar, te convido a se aprochegar aqui no Parque de Exposições e tomar um mate com essa gurizada da Escola de Chimarrão.

 

 

Texto e fotos: Bianca Manfrin